terça-feira, 20 de abril de 2010

Curiosidades sobre a pronúncia

Algumas semanas atrás, conversei com o Claudio-san pelo Twitter sobre palavras que são pronunciadas de maneira errada no nosso cotidiano!

Bom, desde que você consiga transmitir a informação de maneira eficaz, não tem tanto problema errar a pronúncia, mas é sempre bom conhecer a forma correta, concordam?

Vamos começar com duas que estão co-relacionadas:


"Ontem, no /ju.'do/, caí feio no /ta.'ta.mi/..."


"Judô" e "tatame" são as versões aportuguesadas de 『柔道(じゅうどう), /'.dō/ e 『畳(たたみ), /ta.ta.'mi/. Aí fica a dúvida, né? Por que "tatame"? Deve ser para se encaixar nos padrões da gramática portuguesa, mas vai contra o bom senso, na minha opinião.

Próximo caso:


"Pode ter /ti.su.'na.mi/ em /na.ga.'za.ki/!"


Respectivamente: 『津波(つなみ), /tsu.na.'mi/ e 『長崎(ながさき), /na.''ga.'sa.ki/.

Tudo bem que a pronúncia /tsu/ não existe no português, no inglês, imagino que no espanhol também não etc. Mas convenhamos... é difícil? Ora, no alemão existe o som /tsi/, como em "Joseph Ratzinger", mas nem por isso é pronunciado /ti.si/, certo?

Quanto à cidade que sofreu o segundo ataque nuclear na 2ª Guerra, é com som de /s/ mesmo, e não /z/. Isso vale também para a fabricante de motos, Kawasaki: /ka.wa.'sa.ki/, não /ka.'va.za.ki/.

Aliás, aqui no Brasil existe a mania de pronunciar o /w/ com som de /v/. Coitado do Wolverine, fica "Volverine"! O Darwin vira "Darvin"! Mas o nome Wilson não vira "Vilson"... qual é a regra, então?

Não sei, acho que é como uma anarquia, nesse aspecto. Talvez predomine o que é mais comumente falado, mas que não tem nexo, não tem mesmo.

Talvez a responsável por isso seja a Volkswagen, mas aí também existe uma incoerência. Na pronúncia alemã, de fato o /w/ tem som de /v/, mas o /v/ tem som de /f/!

Bom, vamos voltar ao japonês, porque já gastei todo o meu conhecimento de alemão.


Sabem aquele pássaro feito em origami, oつる (Gruidae, segundo a Wikipedia)? No Brasil é pronunciado /tsu.'ru/, seguindo a mesma regra existente em "caju", por exemplo, em que palavras terminadas com "u" são oxítonas.

Mas... em japonês é /'tsu.ru/, ok?

Aliás, a própria palavra おりがみtambém pode ser citada como exemplo. Em vez de /o.ri.'.mi/, procure pronunciar /o.ri.ga.'mi/, se for falar em nihongo.

Outra palavra que se popularizou por aqui, embora bem depois do origami, foi しいたけ, o cogumelo. É, não tem como exigir que no Brasil seja pronunciado /'shī.ta.ke/, com um /i/ longo, mas mesmo assim soa bastante desconfortável ouvir:


"Me vê esse com recheio de /shi.'ta.ke/!"


Bom, existem vários outros exemplos, mas o que quis passar aqui é que, ao falar com um nativo, é melhor esquecer a pronúncia abrasileirada, pois dependendo da palavra, há o risco da pessoa simplesmente não entender o que você quer dizer!

Alguém lembra de outro caso comum?

7 comentários:

Marcus Aurelius disse...

Putz, estou achando que acertar a sílaba tônica das palavras importadas é que é a verdadeira raridade. Errar é o mais comum.

Uma vez eu li que nas palavras importadas do grego acontece o mesmo problema: só por coincidência a sílaba tônica fica igual. Por exemplo, dicionário em grego é leksikó (via tradutor automático; eu não sei grego, mas lembrava desse exemplo), e em português nós temos a palavra léxico!

E essas importações não seguem muita lógica... Às vezes pronúncia certa nem é difícil, mas por desinformação acaba se tornando popular outra pronúncia. Tsunami deveria ser oxítona pelas regras do português (como aqui, ali, corri), mas não adianta, alguém achou que fosse tsunâmi e a pronúncia se espalhou. Será que no futuro vai virar tsuname? Ou tissuname (argh)?

Pará disse...

eu ja ouvi kawasaki ser pronunciado ''cavazáqui''. Foi tenso D:

daniel smitch disse...

nomes de lugares tem muito disso.

como quando dizem que a bomba atomica caiu em "Iroshima" e nao Hiroshima.

chega arranhar o ouvido as vezes xD

como o shanghai do chines tb que vivem pronunciando errado =P

Leonardo disse...

pois é, a maioria das palavras de origem japonesa são escritas erradas e às vezes as pessoas nem sabem qual a origem da palavra, como exemplo o tsunami, porque algumas pessoas sabem a origem das palavras de artes marciais e talz, mas tsunami poucas pessoas sabem que vem do japonês
e olha só, você sabe alemão, hem?! :)
porque eu não sei nada, é um pouco de inglês, espanhol, japonês e talvez italiano
uma palavra japonesa normalmente sua última sílaba é a tônico, quando não é, é porque tem as vogais que prologam a sílaba, sendo assim fica fácil de ler em japonês :P

dimarm disse...

Quanto ao "W", em alemão ele tem som de "V", como em "Wagner", "Wolfsburg", mas em inglês o som é parecido com "U", aqui no brasil eu já ouvi ele ser pronunciado como "V" quando era para ser pronunciado como "U" e como "U" quando era para ser pronunciado como "V", geralmente é escolhida a pronúncia mais fácil, por isso as discrepâncias, além do brasileiro tender a aportuguesar as palavras.

Akira disse...

Rapaz... você já conheceu alguma Saionara? Com a tônica em 'na'. SAIONÁRA. É de lascar. O pior que ouvi na minha vida foi num programa do Jô, ainda no SBT, nem lembro quem ele tinha recebido na entrevista, na hora de agradecer ao entrevistado o Jô tascou um 'ARIGÁTO'. Pô! 'ARIGÁÁÁÁTO'? Doeu mais do que a voz da Tetê Espíndola.

Rodrigo disse...

Massa o post! Para nós que estamos aprendendo o japonês, mais do que natural é querer buscar a pronúncia correta. No entanto, na minha opinião, não vejo problema de nós, brasileiros, apropriarmos de palavras estrangeiras e "aportuguesá-las". Afinal, a cultura é dinâmica! Creio que povos de todos países fazem isso. Foda querer que um japonês fale milk e não miruku, ou pão e não pan (li que a palavra foi levada pelos portugueses msm). Imaginem todas as mutações que sofreram as palavras que usamos no nosso português atual. Dizem que a maioria das palavras que começam com "al" vem do árabe. Por exemplo: alface, álcool, alicate,.... alcorão (essa não podia faltar). Mas será que as pronunciamos como um árabe as pronuncia? Creio que não. Bem, como já disse, é só a minha opinião.