quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Dicas para aprender japonês

みなさん(あ)けましておめでとうございます

Sim, sei que já é dia 5 de janeiro, mas ainda é tempo de dizer Feliz Ano Novo, certo? Portanto desejo a todos um ótimo 2012, cheio de realizações, felicidades, saúde, paz e tudo o que é bom!

Não vim aqui para dizer que vou voltar com tudo com o blog, porque acho que ninguém mais acredita em mim quando digo que pretendo retomar o ritmo nem eu mesmo!.

Mas posso dar a certeza de que o blog não acabou e, enquanto houver pessoas interessadas em ler o que escrevo, vou continuar por aqui. Não com aquela voracidade de 2009, quando chegava a fazer 80 posts mensais (!), mas como dizem os japoneses, マイペースで, ou seja, no meu próprio ritmo.

Assim, vamos para o assunto que escolhi para hoje:


Dicas para aprender o idioma japonês.


1. Não encare o nihongo como algo impossível de ser aprendido.

Esse é o erro mais primário que deve existir. Quem nunca ouviu "Ah não, aquele monte de tracinho (sic) misturado? Tá louco!" ou coisas do tipo?

Que é difícil é, mas engana-se quem pensa que, para se comunicar em japonês, é imprescindível saber de cor 2000 kanji. Isso é uma tarefa primordial para os nativos, mas não para nós, estrangeiros.

Quem começa estudar nihongo logo percebe que, na verdade, não se trata de um idioma de outro planeta, com uma gramática bem mais simples que a do português, e perfeitamente dominável para aqueles que se julgam dispostos a dispender algumas centenas de horas no seu estudo.

Resumindo, não tenha a atitude de julgar um livro pela capa; geralmente o que falta é um bom professor ou uma boa metodologia, e não capacidade.


2. Não estude pensando unicamente no Exame de Proficiência.

O 日本語能力試験・にほんご のうりょく しけん é, sem sombra de dúvidas, a melhor maneira de obter uma comprovação oficial de que você possui certo domínio do idioma. Mas isso não quer dizer que deve ser visto como o único objetivo dos seus estudos!

Há não muito tempo, li um artigo em nihongo que questionava: "Por que há tantos profissionais chineses aprovados no 1級(いっきゅう)- Nível 1, o mais alto - com tanta dificuldade para se comunicar em japonês?".

Isso traz à tona uma deficiência do exame: saber milhares de kanji, ler textos, interpretá-los, entender diálogos etc. não é uma garantia de saber se comunicar adequadamente, em situações reais.

Por isso, sempre aconselho o seguinte: encare o Exame de Proficiência como uma consequência do seu aprendizado, e não o seu objetivo final.


3. Não fique preso a apenas um tipo de japonês.

Quando digo "um tipo de japonês", não estou me referindo a um cidadão de nacionalidade japonesa, e sim ao próprio idioma! Como assim?

No cotidiano brasileiro, há uma distinção entre o português utilizado na escola, no trabalho, na internet - de maneira escabrosa, diga-se de passagem - e nos noticiários televisivos, certo? Bom, pelo menos espera-se que haja, mas o fato é que essa diferença é muito, mas muito mais clara no nihongo.

Não me refiro apenas ao grau de formalidade, que são vários, mas também ao próprio jargão empregado em cada meio de comunicação. Por exemplo, se você assistir a um ニュース - noticiário - na NHK, irá se deparar com um linguajar técnico e formal; já um ドラマ - novela - costuma ser mais coloquial, solto (depende muito do tema da novela, claro).

Então a dica é: diversifique os meios de contato com o nihongo. Usufrua da internet, do Twitter especialmente. Siga algum nativo que aparente ter os mesmos interesses que você e tente entender o que ele(a) está dizendo!


4. Não se prenda a um material didático.

Isso está relacionado com o item acima, mas vale reforçar. Até hoje, sinceramente, não encontrei nenhum material didático voltado para brasileiros que me fizesse dizer: "Esse é bom!".

O maior motivo disso é a falta de imersão no mundo real; é muito comum ver livros que até tentam criar situações próximas do dia a dia, mas sem muito sucesso. O resultado é que o aluno, tadinho, fica com um monte de frases prontas - mas "viajadas" - que dificilmente irá usar algum dia.

Exemplo: 『犬(いぬ)が走(はし)っています!』, "O cachorro está correndo!".

Uau.

Portanto, o meu conselho é: não siga a risca o que está no seu livro, apostila, caderno etc. Além disso, não se prenda a uma única fonte de conhecimento; não conheço ninguém que tenha adquirido fluência através de um único material.


5. Não desista no primeiro ano.

E nem no segundo, terceiro... Um caso clássico é: "Estudei um ano de japonês, mas não aprendi nada". Bom, talvez a culpa não tenha sido do aluno, e sim do professor, mas é certo afirmar que, em apenas 12 meses, realmente não se absorve tanta coisa. A não ser, claro, que você estude lá no Japão, todos os dias, sem brasileiros por perto... mas isso é privilégio para poucos.

...posso chamar de privilégio hoje, mas pra mim, na prática, foi extremamente árduo, e quem já estudou no Japão sabe do que estou falando. Quem acha que o ensino de lá - um dos melhores do mundo - é a mamata que os jovens daqui vivem, está redondamente enganado!

Mas enfim, se você estuda há alguns meses e a primeira conclusão que tira é que não sabe nem proferir frases básicas, não hesite: mude o método, o professor, o material, mas não desista.


Bom, são essas as dicas que tenho para compartilhar convosco até o presente momento!

Se você leu até aqui é porque realmente tem interesse não só no idioma, mas também no blog, então permita-me imitar o grande Steve Jobs e dizer:


"There is one more thing."


Há tempos venho elaborando uma ideia dentro da minha cabeça que, finalmente, nesse ano de 2012, pretendo transformar em realidade.

...o que será?

Não, não é um vlog.

É um livro.

Sim, penso em escrever um livro que mescle a cultura japonesa e o aprendizado do idioma. Não posso dizer muito a respeito no momento (não por ser segredo, mas simplesmente porque ainda não tenho nada muito concreto!), mas à medida que o projeto engrenar, postarei atualizações por aqui!

Mas de qualquer maneira, 楽しみにしておいて下さい!

では!

9 comentários:

Claudio disse...

Gabriel-san, お久しぶり!
明けましておめでとうございます!

Acho que uma das novidades que eu mais gostei foi na última sentença não haver aquela "muleta" com a leitura dos kanjis:
「楽しみにしておいて下さい!」

Bem que isso poderia ser a mais nova "feature" do blog :D

Lais disse...

Adorei a dica, principalmente a da não desita! Estou um pouco quanto desanimada com meu material de japonês, assim como vc disse, sei frases soltas como "o cachorro corre". O problema é, fui em uma festa que tinha um japonês nativo e pensei, uau vou lá tentar praticar meu japonês, e sabe o que consegui? Nada...
Simplesmente eu não consigo ter uma conversa de dia-a-dia, e acabei falando só inglês :(

パテ disse...

Gabrielさん、明けましておめでとうございます!良いお年を~!
Adoro muito o seu blog. Tenho aprendido muitas coisas legais acompanhando seus posts. Assim como a Lais, eu também ando meio desanimada com meu aprendizado de japonês... ultimamente parece que não estou aprendendo nada novo, e também não consigo manter diálogos com nativos...
Vou seguir sua dica e não desistir, e sim tentar troca de método. Espero ter bons resultados! Também irei me dedicar mais aos estudos... Apesar de estar cursando Letras-Japonês na faculdade, muitas coisas nunca serão ensindas em sala de aula, não é mesmo?
Vou me esforçar mais em ler os twitters dos nativos que sigo.

いつもありがとうございます!
クリチバから応援しております。

Valesca disse...

Gracias por los consejos, me encanta tu vlog y animos con el libro.

Valesca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
keiji disse...

明けましておめでとうございます。いつもBlog楽しみに見ております。

僕は日本人なので、記事を見ながらポルトガル語を勉強しています。いつも素晴らしい文章をありがとうございます。

今後も無理せずご自分のペースで結構ですのでBlogを続けていただけると本当にありがたく思います。どうか今後もよろしくお願いいたします。

では良いお年を。

dekuma disse...

明けましておめでとうございます!
Ótimas dicas, esse é um daqueles posts onde você sempre volta para ler e buscar inspiração para os estudos.
O novo nome pro blog combinou perfeitamente com seu conteúdo, que na minha opinião, é um blog rico em estruturas e expressões, coisa rara de se ter hoje traduzidas para o idioma português. E com os exemplos cotidianos que o Gabriel-san cria, facilitam ainda mais a compreensão. E quanto ao livro, 絶対買います! Obrigado pelo conteúdo passado e não abandone seus leitores!

Marcus Aurelius disse...

Sobre japonês realmente me parece difícil encontrar um bom material. Mesmo procurando na internet coisas em português, espanhol e inglês, às vezes é difícil sair do "o cachorro está correndo" e "o livro está sobre a mesa".

Por isso quando encontrei o teu blog uns anos atrás foi uma agradabilíssima surpresa. Conteúdo *de verdade*, assuntos bem explicados, e sem medo de romper a barreira do "livro/cachorro/professor/menino/carro" "está/corre/tem/estuda", isto é, realmente avançando no vocabulário e gramática.

E, claro, tudo com bons exemplos. Não adianta saber como dizer "stress" ou "concentrar-se" se não conseguir construir uma frase realista com essas palavras.

Realmente consegui avançar nos meus estudos, mas dei uma parada e agora preciso voltar a praticar.

Com japonês acho difícil ler sem ajuda. Um ou dois kanjis desconhecidos podem estragar a leitura que estava fluindo, e uma ou duas coisas implícitas podem arruinar a compreensão. E como tem coisas implícitas em japonês!

Suelen Mayumi Dias disse...

Oi, gosto muito do seu blog,

olha, eu ando estudando em casa, mas é muito difícil, tenho 3 livros antigos que ensina kanji, só que fico perdida.

Nem sei por onde começar, sei ler em hiragana e katakana, e conversar é uma confusão. Pensei em entrar em cursinho, mas a parte financeira não permite.

Tento conversar com meus avôs e minhas frases acaba virando um portujapa.

continue sempre postando, a idéia de você fazer um livro, faça sim, vou ser um dos que terão a coleção.

um grande abraço