domingo, 10 de maio de 2009

Show do oasis no Anhembi, São Paulo

Quando faltava ainda cerca de uma hora para o show começar, questionei a mim mesmo:

"Será que realmente vale a pena pagar 120 reais de ingresso, 89 reais de excursão para viajar 7 horas confinado em uma van sendo obrigado a assistir a um DVD pirata de um filme patético, almoçar às 11 da manhã, entrar na fila às 12:20, esperar até às 15:00 para a abertura do portão no meio de fanáticos alucinados e bêbados para depois ter que entrar como uma manada de bois fugindo do abate, esperar mais 3 horas até finalmente poder entrar na pista do Anhembi, outras 2 horas sob forte chuva até uma banda de abertura horrível (para mim é, pelo menos) começar a tocar, aturar esse quinteto (Cachorro Grande) por aproximadamente 1 hora (sendo uma parte dela sem som!) ao lado de uma maranhense (nada contra os maranhenses) que parecia imitar a Dercy Gonçalves de tão boca suja, tudo isso só para ver uma banda tocar?"

Bom, a resposta é:

Vale.
Mas só se gostar muito. Muito mesmo.

Porque ao lembrar de tudo isso e ainda somar as sequelas pós-show como dores nas juntas, dores musculares, cansaço físico, sono etc., pode parecer que artista algum é capaz de recompensar tamanho esforço.

Mas para mim eles conseguiram. E espero que todos que tenham ido pensem da mesma maneira.

Se parar para pensar, fazemos essa análise custo-benefício o tempo todo de maneira inconsciente, mas em escalas diferentes.

Para mim, uma das pouquíssimas coisas que considero merecedoras de tanto sacrifício físico é justamente um show de alto nível.

Da mesma maneira, para outros pode ser um jogo de futebol, escalar uma montanha, ou ainda participar de uma maratona oficial, por exemplo.

O que espero é que se alguém lhe questionar:

"Vale o esforço, o cansaço, o desconforto, o sono, o stress, ... ,?",

você consiga prontamente pensar em pelo menos uma atividade e responder:

"Com certeza."

2 comentários:

leo_pasta disse...

Então digamos: "Com certeza"...

Carla disse...

Concordo com o Leo: com certeza valeu a pena sim! apesar de todo o desgaste e transtornos, as recordações são impagáveis!
E que venha o Clapton!


bjo.

=)